Blog Bem Panvel

Quais os riscos de se automedicar com azitromicina?

Quais os riscos de se automedicar com azitromicina?

Como ocorre com qualquer outro antibiótico (medicamento que inibe o crescimento ou causa a morte de bactérias), a automedicação com azitromicina implica em riscos para o paciente.

O principal motivo para evitar o uso sem indicação médica é que a prática pode gerar resistência das bactérias ao fármaco, reduzindo a eficácia do medicamento.

Também deve ser evitado o uso contra doenças que não constam na bula — durante a pandemia, surgiram textos que indicavam a azitromicina para tratar quadros de covid-19, doença contra a qual o medicamento não é eficaz.

Nesse caso, o paciente fica exposto ao risco das reações adversas sem obter nenhum tipo de benefício com o medicamento.

A azitromicina é indicada para o tratamento de clamídia, gonorreia, de infecções do trato respiratório, da pele, de tecidos moles, do ouvido médio e para tratar cancro devido à bactéria Haemophilus ducreyi. Todas essas doenças são causadas por bactérias, enquanto a covid-19 é causada por um vírus.

Cabe dizer que a azitromicina não pode ser adquirida legalmente sem a prescrição de um médico.

Como os demais antibióticos, ela está no grupo de medicamentos de tarja vermelha com retenção de receitas. Ou seja, para comprá-la em uma farmácia, o paciente precisa apresentar duas vias da receita médica — uma delas é retida pelo estabelecimento.

Então, para obter todos os benefícios da azitromicina, procure um médico e siga à risca a posologia indicada.

Confira todas as informações sobre Azitromicina na seção Tudo sobre Medicamentos

menu

Pin It on Pinterest