Mitos e verdades da medicação contra Covid-19

por | 29 jan, 2021

6 min. de leitura

Notícias sobre vacinas e medicamentos para a Covid-19 têm estado entre nossos principais interesses nos últimos tempos. A descoberta de uma cura para o vírus se tornou o sonho compartilhado por milhares de pessoas. Você também vibrou com as imagens das primeiras pessoas imunizadas?

Ainda assim, a quantidade de notícias é tamanha que, muitas vezes, é difícil acompanhar. Sem falar na circulação de informações erradas ou sem embasamento científico. Afinal, existe tratamento precoce? Por que alguns medicamentos são indicados e outros não?

Levamos algumas das principais dúvidas sobre medicamentos para Covid-19 para o infectologista Eduardo Sprinz, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Confira a explicação do médico sobre medicamentos que têm sido relacionados ao tratamento do vírus e saiba quais funcionam e quais não têm eficácia científica comprovada:

Quais medicamentos são utilizados para a Covid-19?

“Neste momento, os medicamentos utilizados para a Covid-19 são os que tratam sinais e sintomas: analgésicos e antitérmicos, como Paracetamol e Dipirona“, explica Sprinz. Além desses, há medicamentos específicos, mas que certamente contêm efeitos colaterais – os corticoides como a Dexametasona, a melhor estudada até agora. O uso desse tipo de medicamento só deve ser realizado em casos moderados de infecção, e sempre com avaliação médica, devido ao risco de efeitos colaterais.

Hidroxicloroquina e ivermectina funcionam contra o coronavírus?

Nos últimos tempos, muito se ouviu falar dos dois medicamentos como parte de um possível tratamento precoce para a Covid-19. A verdade, porém, é que tanto a hidroxicloroquina quanto a cloroquina não têm eficácia contra a infecção por Covid-19. O mesmo vale para a Ivermectina: as pessoas que a usarem serão apenas desvermifugadas, mas não terão nenhuma proteção extra contra o coronavírus. “Em algumas pessoas, felizmente a minoria delas, a Ivermectina pode estar associada a efeitos colaterais graves no cérebro, no sistema nervoso central”, afirma Sprinz.

E para tratamento precoce?

Sprinz esclarece que não existe, ainda, nenhum tratamento precoce contra o coronavírus. Por que, então, algumas pessoas têm conhecidos que foram infectados com o vírus e apresentaram melhoras ao utilizar alguma dessas medicações? A explicação do infectologista é de que a melhora deve ser atribuída ao organismo do paciente e não ao medicamento.

“Nessa infecção, até agora, sabemos que 96% das pessoas terão um curso satisfatório da infecção e isso é o mais importante. Então, para a maioria das pessoas, vai dar certo independentemente da nossa intervenção, e até mesmo sem intervenção médica. Raramente a infecção levará uma pessoa a ter complicações, e geralmente serão as pessoas com vulnerabilidade”, explica.

Existe algum tratamento precoce contra a Covid-19?

Quando se trata de proteção contra o coronavírus, a adoção dos cuidados que têm sido amplamente difundidos, como o uso de máscara e a higienização das mãos, é mais eficaz do que qualquer medicamento. “É provável que a utilização de máscara possa ser mais protetora do que as vacinas. Medidas de proteção individuais são mais do que nunca necessárias e são as melhores medidas preventivas”, afirma o infectologista. Por isso, evite frequentar locais aglomerados.

Quando precisar sair de casa, use sempre a máscara e higienize as mãos com frequência, como a cada vez que entrar ou sair de um ambiente.

A azitromicina é eficaz para pacientes com Covid?

Embora possa ser indicada para controlar possíveis infecções secundárias do coronavírus, a azitromicina não tem benefícios em casos moderados e graves da doença, conforme indicaram vários estudos, como o Recovey, feito por universidades britânicas. O infectologista do Hospital de Clínicas reforça que, além de o medicamento não ter ação contra a Covid-19, pode levar ao desenvolvimento de bactérias resistentes a antibióticos se usado de forma inadequada. “Não vale a pena utilizá-lo de forma indiscriminada. É um antibiótico que tem seu uso restrito para não causar resistência das bactérias aos antibióticos”, explica.

Anticoagulantes são indicados para pacientes que tiveram coronavírus?

Em algumas pessoas, a Covid-19 pode provocar uma inflamação geral no organismo – e corpos mais inflamados podem ter o sangue mais grosso. Por isso, para algumas situações, preferencialmente com indicação médica, o uso de medicações anticoagulantes pode trazer benefícios e evitar, por exemplo, a embolia pulmonar.

“Mas é preciso a avaliação médica e, de preferência, exames que mostrem que o corpo da pessoa está mais inflamado, com mais chances de desenvolver esse quadro”, pondera o especialista. Isso porque o uso de anticoagulantes também está associado a efeitos colaterais importantes em pessoas idosas, incluindo o sangramento digestivo ou sangramento do cérebro, uma espécie de derrame por hemorragia.

Por que é importante evitar a automedicação para Covid-19?

De acordo com o médico, há dois problemas potenciais ligados à automedicação. “O primeiro é que os medicamentos podem estar associados com efeitos colaterais potencialmente graves. A pessoa ao invés de se beneficiar do efeito do medicamento, vai se prejudicar”, explica. O segundo caso é específico para os antibióticos. Quando mal utilizada, essa medicação pode levar ao desenvolvimento de superbactérias, resistentes aos antibióticos e extremamente difíceis de serem tratadas.

A vitamina D ajuda a prevenir a Covid-19?

Algumas pessoas têm buscado a vitamina D como uma forma de fortalecer o organismo contra a infecção de coronavírus. De acordo com o infectologista, não há indicação. “O que sabemos é que pessoas com baixos níveis de vitamina D podem desenvolver outras complicações clínicas e ficar mais vulneráveis às complicações da Covid-19″, afirma. “Assim, a gente pode pensar que um baixo nível de vitamina D pode ser um indicativo de que a pessoa possa estar mais vulnerável a outras comorbidades e talvez ela realmente possa tomar um pouco de vitamina D para atingir os valores considerados normais pela população”, afirma.

Agora que você aprendeu mais sobre os medicamentos para tratamento da Covid-19, pode compartilhar o texto com amigos e familiares! Se apresentar qualquer sintoma, procure atendimento médico. E lembre-se de se proteger com máscara e álcool gel sempre.

Para saber mais sobre Coronavírus e Covid-19, leia neste post.

2 Comentários

  1. Carolina Charlier Ahlert

    Nossa senhora!!! Porque não entrevistam o Dr Ricardo Zimerman??? Tantas evidências sobre os medicamentos citados e muitos outros já descobertos como a Dutasterida.
    Que desserviço…
    Procurem as evidências científicas e não as tendenciosas.

    Responder
    • Equipe Panvel

      Olá, Carolina. Sentimos muito que nosso conteúdo não tenha suprido suas expectativas. Nossa publicação está baseada em estudos científicos e foram respondidas por um médico infectologista que está atuando na linha de frente de combate à pandemia.

      Ficamos à disposição para responder a dúvidas que surgirem sobre o assunto. Até mais.

      Responder

Trackbacks/Pingbacks

  1. Dia Mundial do Doador de Sangue: seja um e salve vidas - Blog Bem Panvel - […] tantos efeitos da pandemia de Covid-19 no último ano, alguns podem passar despercebidos para a maior parte da população.…

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest