Blog Bem Panvel

Dermocosméticos: tratando as camadas profundas da pele

Por 
 | 
05/01/2021
4 min. de leitura

As mais atentas às novidades de skincare já notaram: é cada vez maior a variedade de dermocosméticos disponíveis. Eles chegaram para ficar - e podem mudar a maneira como você cuida da sua pele! 
 

Para saber como atuam, é preciso entender o que eles têm de diferente em relação aos cosméticos tradicionais. Você já sabe? 

Cosméticos x dermocosméticos 

Os cosméticos são produtos com os mais variados princípios para atingir diversos resultados, seja na pele, nos cabelos ou nas unhas. Eles têm efeito apenas estético e não passam, necessariamente, por estudos clínicos para comprovar a sua eficácia. 

Já os dermocosméticos têm ativos farmacológicos e comprovação científica através de estudos clínicos. "Eles agem nas partes mais profundas da pele, produzindo uma melhora de dentro para fora", explica a dermatologista Juliana Fonte. Sabe os dermocosméticos que você vê na prateleira? Eles passaram por muitas pesquisas e testes antes de serem embalados. 

Um exemplo bem prático: enquanto um cosmético atua para cobrir uma mancha, hidratar a pele de maneira superficial ou até disfarçar uma acne, os dermocosméticos vão ajudar no tratamento da causa destes problemas. Por agir a fundo, é possível que os efeitos demorem mais a aparecer - mas o resultado costuma fazer a espera valer a pena. "O tempo até serem observados os resultados varia bastante, mas, em média, após 30 dias já podem ser vistos os sinais do seu uso", afirma a dermato. 

dermocosméticos

Quem pode usar os dermocosméticos? 

Ainda que os dermocosméticos sejam muito procurados para tratamentos de rejuvenescimento, eles podem ser utilizados por pessoas de todas as idades que, por algum motivo, precisem realizar um tratamento dermatológico, e não apenas estético. A exceção são os produtos cujos ativos não são recomendados para os bebês e para as crianças, explica a dermato Juliana. Por isso, o ideal é sempre consultar um especialista antes de iniciar o uso desses produtos, principalmente nas primeiras fases da vida.   

O tratamento na "raiz" do problema torna estes produtos os mais indicados dos dermatologistas para clareamento da pele, olheiras e cicatrizes da acne, entre outras situações bem comuns. É o seu caso? Apesar de os dermocosméticos não precisarem de receita, a consulta com um dermatologista torna os resultados mais certeiros, pois o profissional indicará produtos com os ativos mais adequados para o seu problema.  

Tipos de dermocosméticos 

Entre os tipos de dermocosméticos existentes, estão os cremes para suavização de rugas, flacidez e celulite, para clareamento de manchas e olheiras e para tratamento da acne, entre tantos outros. E para você que não dispensa uma boa make temos uma ótima notícia: existem maquiagens dermatológicas. A maioria tem fator de proteção solar que auxilia na prevenção do envelhecimento e manchas na pele, e fórmula com ativos que evitam alergias e acnes. 

Além da pele, os dermocosméticos também estão disponíveis na forma de produtos para cabelos. Os dermocosméticos para cabelos como shampoos, condicionadores e cremes de tratamento cuidam de problemas como a queda e a caspa, além de agir em conjunto com ativos que proporcionam brilho, maciez, restauração e outros benefícios para os fios. Será que algum deles é o que você está precisando?  

dermocosméticos cabelos

Os principais ativos 

Os dermocosméticos usam ativos específicos que variam de acordo com a região a receber o tratamento. Veja alguns dos mais comuns: 

  • Ácido Hialurônico: tem ação antienvelhecimento, combatendo os sinais da idade;
  • Aminexil: utilizado em shampoos para tratar queda de cabelo; 
  • Arginina: atua para manter a firmeza e a saúde da pele; 
  • Cafeína: sim, ela faz bem à pele! Na região dos olhos, suaviza bolsas e olheiras, mas também pode tratar irritações e inflamações; 
  • DMAE: age no combate às rugas e à flacidez facial. 

Contra-indicações 

Depois de tantos benefícios, talvez você esteja se perguntando se  os dermocosméticos têm alguma contra indicação. A resposta é: depende. Para quem preza pela fragrância na hora de escolher o que aplicar na pele, os dermocosméticos podem causar estranhamento. Muitos desses produtos não têm cheiro e nem cor para evitar o risco de alergias e de irritações. Então, não deixam a pele perfumada após a aplicação do hidratante, por exemplo. 

Outro fator que costuma influenciar na hora da compra é o preço, já que os dermocosméticos têm valor mais alto do que os cosméticos convencionais. Porém, considere também que, muitas vezes, os dermatologistas recomendam os dermocosméticos para tratar mais de um problema ao mesmo tempo 

A melhora de manchas, rugas e ressecamento, por exemplo, podem ser realizadas com o mesmo produto, otimizando o tratamento. Isso é possível adotando um dermocosmético que tenha os princípios ativos voltados à solução completa de todos estes problemas. 

Deu vontade de testar? Procure seguir as recomendações do seu dermatologista e conte para nós sobre os resultados! 

Compartilhe

3 comments on “Dermocosméticos: tratando as camadas profundas da pele”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

menu